Uma sorte com sorte


Uma sorte surpreendente devolve-nos à meninice. Vou contar a última que me aconteceu. Cortei um dedo mas sofri um acesso de preguiça que me impediu de ir buscar o mui nobre e leal Fucidine.

A única coisa que tinha à mão era um frasquinho de óleo essencial de Tomilho-Bela-Luz que já tenho há anos e que esta semana resolveu um episódio de comichão no meu antebraço. Foi uma sorte mas não me surpreendeu.

Larguei uns pingos na ferida e dei uma esfregadelazinha. Depois esqueci-me durante um dia inteiro. Depois de jantar lá fui buscar o Fucidine para aplicar. O problema é que já não me lembrava qual era o dedo.

Não há nenhum que me doa. Começo à procura da ferida, dedo a dedo. Não encontro. A ferida até era considerável, tendo pingado bastante sangue.

Desapareceu? Não pode ser. Inicio nova busca. E finalmente encontro uma pálida imitação da ferida, uma sombrinha diáfana a marcar o local da sangria. É como se a ferida já tivesse uma semana em cima.

Parece bruxedo. Mas é mera aromaterapia. Se não acredita compre um frasquinho de um bom óleo essencial de alfazema e ponha em tudo. Ajuda a dormir, ajuda a sarar, ajuda a repudiar os mosquitos e que se saiba não faz mal a nada, para além de cheirar muito bem.

Fui ao site da Herdade de Vale Covo que produz o óleo de Tomilho-Bela-Luz e verifiquei que é indicado para muitas coisas mas não se mencionam nem comichões nem ferimentos.

A minha sorte surpreendente multiplicou-se por dois. Fui irresponsável mas tive a sorte de ser bem respondido.