Missy Franklin, que está inscrita em seis provas, ganhou nesta segunda-feira a medalha de ouro nos 100m costas
Foto: Jorge Silva/Reuters

Missy Franklin cumpriu os 100m costas em 58,33s
Foto: David Gray/Reuters

Natação

As adolescentes dominam em Londres

Nem Michael Phelps foi campeão ou sequer ganhou medalhas quando tinha 15 anos. Quando se estreou nos Jogos Olímpicos, em 2000, limitou-se a uma anónima presença numa final. A lenda começaria quatro anos depois, mas as de Missy Franklin e Ruta Meilutyte começaram nesta segunda-feira. Ao terceiro dia da natação olímpica, o protagonismo foi das duas adolescentes. Franklin, norte-americana de 17 anos, foi campeã nos 100m costas, enquanto Meilutyte, lituana de 15, bateu a concorrência nos 100m bruços. Isto numa competição que abriu com a vitória com recorde do mundo da chinesa Ye Shiwen, de apenas 16 anos, nos 400m estilos.


Tudo se encaminha para que Missy Franklin seja um dos grandes fenómenos destes Jogos. Inscrita em seis provas (mais do que qualquer nadadora da equipa feminina dos EUA), Missy já competiu em duas e ganhou duas medalhas, primeiro o bronze na estafeta de 4x100m livres, esta segunda-feira nos 100m costas, ela que já vinha com três títulos dos Mundiais de Xangai. E o título desta segunda-feira prova que tem fôlego para muitas medalhas num calendário sobrecarregado. Conquistou o ouro (com novo recorde dos EUA, 58,33s) 14 minutos depois de se ter qualificado para a final dos 200m livres.

Dois anos mais nova, Ruta Meilutyte conquistou a primeira medalha na natação para a Lituânia, superiorizando-se à norte-americana Rebecca Soni (dez anos mais velha e bicampeã mundial), que repetiu o mesmo lugar de há quatro anos em Pequim, onde perdeu para a australiana Leisel Jones, quinta na final desta segunda-feira.

Recorde à vista para Phelps

No duelo à distância entre Ryan Lochte e Michael Phelps, o dia correu melhor à “Bala de Baltimore”. Phelps pode igualar nesta terça-feira o recorde de Larisa Latynina e conquistar a sua 18.ª medalha olímpica caso chegue entre os três primeiros da final dos 200m mariposa, uma das suas grandes especialidades (recordista mundial e bicampeão olímpico). Fez o quarto melhor tempo das meias-finais e, se triunfar na final desta terça-feira, passa a ser o primeiro nadador masculino a ser campeão olímpico três vezes no mesmo evento – Dawn Fraser e Krisztina Egerzegi são as mulheres que alcançaram esta proeza.

Já Ryan Lochte, campeão olímpico dos 400m estilos no tal primeiro duelo com Phelps, teve um mau dia, nem sequer ficando no pódio da final dos 200m livres. Foi uma final com sabor a “déjà vu”, porque quem o bateu por larga margem foi o francês Yannick Agnel, o mesmo que o tinha ultrapassado no último percurso da estafeta de 4x100m livres. “Provavelmente saí demasiado rápido. Sou um nadador para acelerar na última metade do percurso, mas queria entrar logo na corrida. Tentei tudo mas não consegui nada”, lamentou Lochte, que ainda vai participar em mais três eventos. Um deles, os 200m estilos, será o segundo duelo com Phelps.