Descrição

Andrea Pirlo marcou à Panenka

Foto: Carl de Souza/AFP
Comentário

Sr. Blatter, deixe os penáltis em paz

Muita gente diz (especialmente os derrotados) que o desempate por penáltis é uma lotaria. Discordo. O factor sorte nas grandes penalidades não é diferente de qualquer lance de bola corrida, havendo até menos variáveis em causa, já que não há ressaltos pelo meio, a bola está parada e todos partem em circunstâncias idênticas.


Depois de o Chelsea vencer a Liga dos Campeões, o senhor Blatter lançou a ideia peregrina de encontrar uma alternativa ao desempate por penáltis. Será que está a pensar no método anterior, a moeda ao ar? Ou vai pesar as duas equipas e premiar a mais leve (ou a mais pesada)? Ou será que está a pensar num concurso de beleza?

Após a derrota com a Itália nos quartos-de-final do Euro 2012, o seleccionador inglês, Roy Hodgson, também se virou contra os penáltis, considerando que "têm pouco a ver com futebol".

Pelo contrário, acho que têm tudo a ver com futebol. Até podem ser um momento em que o talento não conta tanto, mas são o expoente máximo da precisão do remate, da concentração e da capacidade de resistir à pressão.

Mais. O desempate por penáltis não tem a beleza plástica de outros momentos do jogo, mas é difícil encontrar outra situação tão emotiva. Não estou a defender que todos os jogos sejam assim desempatados, mas garantidamente os penáltis merecem um lugar no futebol. Deixem-nos em paz.