Descrição

Paulo Bento diz que no jogo com a Macedónia não houve um problema de empenho

Foto: José Manuel Ribeiro/Reuters
Selecção

Paulo Bento: "Muito dificilmente seremos uma equipa sem confiança"

Paulo Bento não está demasiado preocupado com a falta de golos da selecção portuguesa. Nem com os assobios. Nesta sexta-feira, em Óbidos, o seleccionador português confessou-se como um “optimista por natureza” e, por isso, espera golos e uma vitória no particular deste sábado, na Luz, frente à Turquia, o último jogo antes da partida para a Polónia, depois de um empate sem golos e com muitos assobios em Leiria com a Macedónia.


"A finalização deixou-nos alguma preocupação, por termos criado pouco no último jogo. O jogo com a Macedónia não foi um problema de empenho, foi de desempenho. A verdade é que tivemos alguma lentidão no processo ofensivo e é isso que vamos tentar corrigir. A Turquia é uma equipa que vai jogar de forma diferente”, frisou Paulo Bento, desvalorizando o facto de Portugal ainda não ter ganho nem ter marcado qualquer golo nos dois jogos que fez em 2012 (0-0 frente à Polónia e à Macedónia): "Muito dificilmente seremos uma equipa sem confiança, sou optimista mas também realista. Estou preocupado, mas sem exageros."

A repetição na Luz, que irá esgotar, dos assobios ouvidos em Leiria também não preocupa Bento. "Acredito que vai ser um bom ambiente. Ao público, assobiar é um direito que lhes assiste, mas não acabaremos o jogo mais cedo se isso acontecer. Não vou substituir um jogador só porque está a ser assobiado. Tem de ter personalidade e carácter para enfrentar os momentos mais adversos", garantiu o seleccionador nacional.

No dia de despedida de Óbidos como base da selecção portuguesa, Paulo Bento fez um balanço positivo do estágio. "Se tivesse de dar nota ao estágio, daria a nota máxima. Os jogadores foram inexcedíveis com o treino e com as regras, sairemos daqui muito melhor do que chegamos", disse o técnico, admitindo, no entanto, que é impossível colocar todos os jogadores no mesmo patamar físico: "Vêm de contextos diferentes. Não há essa possibilidade e o que é fundamental é colocar todos nos nossos princípios de jogo e que tenham capacidade de executar as suas funções dentro de determinado contexto."

Bento voltou ainda a falar das responsabilidades de Cristiano Ronaldo na selecção portuguesa, frisando que não se pode pedir ao jogador do Real Madrid que resolva todos os problemas: "Não acredito que a pressão lhe trave o rendimento, que tem sido bom na selecção. Não fazendo os dois primeiros jogos, ainda foi o nosso melhor marcador. Não tem a pressão de resolver todos os nossos problemas, mas esperemos que resolva alguns. Ter um dos melhores jogadores do mundo não é suficiente. Era bom deixar de comparar o rendimentos dos jogadores nas equipas e nas selecções. Ele tem treinado sempre e bem. Vamos tentar gerir da melhor forma, o que não queremos é que ele tenha a pressão de que tudo tem de ser resolvido por ele."

Sobre a revelação de Luiz Felipe Scolari de ter sido pressionado pelo FC Porto para não convocar Vítor Baia enquanto foi seleccionador português, Paulo Bento diz que apenas tem boas memórias do técnico brasileiro, referindo, no entanto, que nunca irá ceder a esse tipo de influências: "Não estava lá nesse tempo. O que registo dele são os resultados, os melhores da selecção. O que eu exigi foi liberdade total para fazer as minhas escolhas, que tenho tido sem qualquer tipo de pressão. Isso é sinal de respeito pelas minhas funções."