Descrição

Bruno Alves

Foto: Patrícia Moreira de Melo/AFP
Selecção

Bruno Alves lamenta críticas de Queiroz e Manuel José: "Não foi o momento oportuno"

Tema central na conferência de imprensa de Bruno Alves, em Opalenica: as críticas dirigidas por Manuel José e Carlos Queiroz ao “circo” que tem rodeado a selecção nacional. O central do Zenit desvalorizou o assunto e sublinhou apenas que essas declarações não fazem sentido.


"A mim não me compete julgar. Toda a gente tem direito à sua opinião. Nós, enquanto jogadores, tentamos desvalorizar", começou por dizer o defesa português. "Penso que não [fazem sentido as críticas]. A programação foi feita muito antes. Nós só tentámos cumprir aquilo que nos pediram. Mas toda a gente tem direito à opinião".

Perante a insistência da comunicação social, Bruno Alves acabou por deixar fugir que o timing das declarações não foi o ideal. "Não foi o momento oportuno, mas normalmente as críticas surgem quando fazemos jogos menos felizes. Já temos muitas dificuldades, vamos jogar fora do país, contra uma das melhores equipas do mundo, o que queremos é o apoio dos portugueses".

E mesmo esse, de acordo com uma sondagem divulgada pela Universidade Católica, não está garantido. Cerca de 20% dos portugueses, segundo o estudo, não acreditam na passagem aos quartos-de-final. "A selecção precisa de quem acredita e de quem nos apoia. É com isso que estamos a contar. Sem dúvida que os portugueses vão estar lá para nos apoiar", limitou-se a dizer o central.

O sector comandado por Bruno Alves também tem sido posto em causa nos últimos dias e a imprensa alemã tem falado numa defesa tremida. Solução? "Vamos tentar ultrapassar isso mesmo com o colectivo. Temos jogadores do melhor nível para as várias posições. Quando ganhamos não somos os melhores, mas quando perdemos também não somos os piores".

Sobre o encontro de estreia da selecção neste Euro 2012, uma última resposta ao eventual excesso de confiança dos alemães. "Temos o jogo no sábado para provar quem é melhor. E nós temos intenção de provar que somos melhores".